Flávio e Fernanda Bolsonaro omitiram R$ 350 mil do Imposto de Renda

O casal Bolsonaro omitiu do IR os pagamentos feitos para comprar loja de chocolates no Rio

De acordo com investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro, o senador Flávio Bolsonaro e sua esposa, Fernanda, omitiram R$ 350 mil do Imposto de Renda. O valor foi utilizado na  compra de uma loja da Kopenhagen em um shopping na Zona Oeste do Rio.

O valor total da loja teria sido de R$ 800 mil, segundo o MPRJ. Flávio e o sócio, Alexandre Santini, pagariam R$ 400 mil cada um à empresa C2S Comércio de Alimentos, de Cristiano Correa Souza e Silva, antigo proprietário da loja. A empresa de Flávio e Alexandre é a Bolsotini. Flávio deu um cheque de R$ 50 mil como sinal da compra, que segundo MPRJ, foi declarado no IR. A omissão se deu no resto da compra.

Com a quebra do sigilo bancário do casal, feita com autorização da Justiça, o MPRJ descobriu que os R$ 350 mil usados na compra da loja saíram da conta de Fernanda Bolsonaro – e essa quantia não foi declarada no Imposto de Renda.

Os R$ 350 mil foram pagos para a compra da loja por Fernanda Bolsonaro, por meio de transferência eletrônica, em fevereiro de 2015.

Os promotores do Ministério Público afirmam que o casal omitiu do Imposto de Renda o restante dos pagamentos à empresa C2S Comércio de Alimentos, mostrando propósito de esconder dos órgãos fiscalizadores o valor total da transação. Além disso, a investigação mostra que o casal não possuía lastro financeiro para a compra.

O MPRJ mostra também que o contrato social da empresa – assinado em 16 de dezembro de 2014 e registrado em 2 de janeiro de 2015 por Alexandre Santini – indica que o capital social da Bolsotini seria de R$ 200 mil, e cada sócio teria pago a metade das cotas no ato de constituição da empresa: R$ 100 mil em espécie, quantia que representa o dobro do valor declarado por Flávio no Imposto de Renda.

Mas, segundo os promotores, Flávio e Santini não contribuiram com o montante. O valor total de R$ 200 mil  foi repassado da conta de Fernanda Bolsonaro para a conta da empresa Bolsotini Chocolates e Café.

Na visão dos promotores, Fernanda pagou não apenas a dívida do marido, mas também a parte do sócio, Alexandre. Essa investigação pode mostrar que Alexandre Santini seria um sócio laranja e que o casal Bolsonaro teria arcado com o totalidade ou maior parte das despesas da loja.

A defesa de Flavio e Alexandre não comentaram as decisões e alegam que deveria ser mantido o sigilo profissional nas investigações, que mostram a omissão do Imposto de Renda.