Cães de raça estão desenvolvendo mais transtornos comportamentais, diz pesquisa

A maioria das raças está desenvolvendo ansiedade, comportamento anti-social e agressividade

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Helsinki, na Finlândia, chamou atenção para a grande mudança comportamental dos cães de raça nos últimos tempos. Após acompanhar quase 14 mil cachorros, de 264 raças diferentes, ficou constatado que 73% deles tinham algum transtorno comportamental , como ansiedade, agressividade e fobias. 

De acordo com o pesquisador Hannes Lohi, esse resultado serve de uma alerta para os criadores de raças. Ele acredita que, além dos problemas de saúde, como dificuldade de respiração em cães braquicefálicos (focinho achatado), os cruzamentos selecionados podem ter deixado os animais mais propensos a problmeas comportamentais. "Se a seleção de raça focar em comportamento, problemas com ansiedade podem ser reduzidos", afirmou ao The Guardian.  

A constatação vem da informação de que os cães do estudo apresentaram muita sensibilidade a sons altos, medo e problemas de agressividade. Esses comportamentos são mais fortes de acordo com o sexo, a idade e até a raça - machos se mostraram mais agressivos e compulsivos, fêmeas mais medrosas. Cães idosos apresentaram mais medo em relação aos sons altos, e os filhotes comportamento destrutivo. Raças específicas também apresentaram transtornos particulares, como o schnauzer miniatura, que se mostrou muito agressivo na presença de estranhos. 

A conclusão da equipe de pesquisadores foi que raças mistas, cruzadas com um determinado propósito, estão mais propensas a desenvolver distúrbios comportamentais do que as raças puras.

Vale também resaltar que não é apenas a genética que influencia nesse tipo de comportamento, o ambiente no qual o animal é criado também possui um peso grande. Muitos cães acabam assimilando o comportamento do dono, ou seja, se ele sofrer com ansiedade, estresse, entre outros, o animal também pode desenvolvê-los.